Ressignifique

#1 – Mudanças: Seja a sua própria Revolução!

“Queremos sempre que nossas vidas mudem, nosso país, nossos relacionamentos… O mundo! Mas como Ghandi disse: Seja a mudança que você quer ver no mundo! Então devemos começar a mudança primeiro por nós mesmos, não é? E se for uma Revolução!

Leo conversa um pouco sobre mudanças e revolução nessa nova série do canal! E aí? Vai esperar mais tempo ou vai mudar?”

Assista o nosso novo vídeo do canal, logo abaixo, e leia a transcrição/resumo do assunto! Seja bem-vindo!

Como diria a música da banda Charlie brown Jr (versão que tem a participação da cantora Negra Li) chamada Não é Sério:

Revolução na sua vida você pode você faz… Revolução na sua mente você pode você faz, quem sabe mesmo é quem sabe mais!

Podemos fazer mudanças nas nossas vidas e ao nosso redor, ou melhor, podemos fazer uma revolução, desde que ela comece dentro de nós mesmos primeiro.

É normal vermos pessoas querendo mudanças e elas se concentram em suas famílias, sua carreira, no país (vide a confusão dessa última eleição, aff) e até na outra pessoa de um relacionamento, mas muitas vezes fica só no desejo, elas não atuam diretamente para que isso aconteça.

Algumas dessas mudanças elas nem vão conseguir, sabe porquê? Porque, como disse, a mudança tem que partir delas mesmas, se elas mudarem com certeza irão conseguir impactar o ambiente ao seu redor, mas acabam não fazendo muitas vezes por medo, medo do novo, de assumir que também é responsável e precisa fazer algo ou até mesmo medo de fazer algo diferente, dentre outras coisas.

Muitas vezes, optamos por ficar no conformismo ou na famosa zona de conforto, como o próprio nome já diz é confortável, não preciso me esforçar ou sentir qualquer dor, “estou de boa”, mas isso acaba de qualquer forma machucando e causando dor mesmo sem que você perceba, não sei se é o seu caso e talvez se identifique com tudo isso, muitos ficam em um ciclo de querer, ficam sofrendo e sentem que nada muda, pois depende delas, e acabam continuando no ciclo de: querer, não mudar, sofrer, querer, não mudar… E por ai vai.

Isso vai cansando e deixando-as em diversos estados de desequilíbrio emocional ou até mesmo psicológico. Uma pesquisa feita por uma empresa chamada Gallup para medir o nível de tristeza, raiva e estresse das pessoas durante o ano, mostrou que as pessoas estão cada mais vez sofrendo com esses estados. Os dados mostram que em 2017, em 146 países e 154 mil pessoas, quatro em cada dez sentiram preocupação ou estresse durando o ano, três em cada dez relataram dores físicas por causa disso e uma em cada cinco sentiu tristeza ou raiva.

São números altos e podem ser ocasionados por diversos motivos, mas todos culminam que todos precisam de mudanças para saírem dessa situação, precisam muitas vezes quebrarem o ciclo que mencionei e para isso precisam entender que por mais que estejamos vivendo em um mundo que cobra de mais de nós, a forma que ele funciona hoje foi criada e está sendo mantida por nós mesmos. Então cabe a nós atuarmos sobre isso.

E esse é o ponto, a nossa mensagem é que não seja uma simples mudança, que seja uma revolução!

De acordo com o dicionário revolução é: Transformação, indignação e agitação, uma modificação em qualquer pensamento humano e costumes, mudanças profundas ou radicais.

Por isso, de acordo com esse significado, da forma que estamos vivendo e como o nosso mundo está funcionando, precisamos de uma transformação/mudança profunda, de impacto e isso tem que ser de dentro para fora.

Se quer ter um mundo menos corrupto, seja menos corrupto, se quer que o seu parceiro mude, mude primeiro, se quer ter uma vida melhor, seja melhor também, assim em diante. Não adianta querer mudar o mundo se não consegue nem mudar a si mesmo, não é?

Procure ferramentas, ideias, pessoas que pensam parecido e faça diferente e faça a diferença, é possível sim, mesmo vivendo neste mundo doido com pessoas falando tantas coisas negativas e que invertem tanto os valores que ajudam o ser humano a ser melhor.

O que podemos fazer? Vamos descobrir juntos! Venha com a gente!

Conhece a Honoss?

Grande Abraço e até a próxima.

Leonardo Cruz – Co-criador da Honoss; Cientista do comportamento humano e terna criança sempre curiosa pelo mundo e as pessoas; empreendedor na veia; Gestor de projetos; Coach; Programador em Pnl; Analista de inteligência emocional e para não ficar chato por aí vai.

Quer fazer algo diferente? Conheça mais as nossas oficinas clicando aqui e quem somos aqui.

Conheça nossas redes sociais e siga-nos: FacebookInstagram e Youtube.